domingo, 26 de março de 2017

COMO ADQUIRIR CONHECIMENTO NA DOUTRINA ESPÍRITA?

(Por Alessandra Mayhé)

O estudo é um dos pilares da doutrina espírita. Sem conhecimento, o indivíduo se torna somente mais um reprodutor de frases feitas, dogmas, interpretações particulares e práticas errôneas.
Se o espiritismo estimulasse o “deixa como está para ver como fica” ou a simples aceitação cega dos seus postulados, provavelmente, os nossos psicógrafos ainda escreveriam utilizando o auxílio da “cesta de bico” (ver Livro dos Médiuns).
A doutrina espírita foi codificada por Allan Kardec, pseudônimo do professor Rivail, conhecido por ser um homem de ciência e que não se deixava impressionar por fatos cuja lógica não pudesse ser explicada cientificamente. Essa sua postura veio ao encontro da necessidade dos espíritos que precisavam passar os ensinamentos, mas sem que houvesse sobre eles uma aura de misticismo ou ficção provinda de mentes imaginativas e férteis.
Atualmente, a doutrina conta com inúmeros livros que se intitulam espíritas, alguns com conteúdo realmente coerente com a doutrina codificada por Kardec. No entanto, há aqueles que em seu bojo trazem conceitos inseridos de outras filosofias (às vezes, pensamentos oriundos somente daquele espírito comunicante ou do médium psicógrafo) e nem sempre de forma tão explícita, o que pode levar a confusões ou más intepretações da doutrina espírita.
Mas, então, como perceber essas sutilezas? Como adquirir conhecimento seguro em meio a tanta informação?

A resposta é muito simples: estudo!
Estudar a doutrina espírita não implica somente em ler livros espíritas, mas sim em analisá-los em sua profundidade, na busca do seu sentido real. Esse estudo deve iniciar-se impreterivelmente pelas obras básicas da doutrina, pois são a fonte mais segura de informação que ainda temos.
O estudo é requisito constante exigido daquele que deseja viver de acordo com os ensinamentos espíritas, pois é somente através dele que conseguimos entender o mecanismo de nossas vidas e de tudo o que nos cerca. Dessa forma, compreendendo o que nos acontece, ficamos naturalmente mais habilitados para tomar as decisões mais acertadas e agir com maior segurança, seja nas atividades espíritas ou nas nossas vidas pessoais.
E como deve ser esse estudo? Posso estudar sozinho? Ou seria melhor estudar sempre em grupo na casa espírita?
Nem só uma coisa, nem só outra. Para entendermos melhor essa questão é preciso que entendamos um pouco sobre o conhecimento.
De forma fácil de ser compreendida, podemos dizer que “conhecer” é transformar uma informação em algo que possa ser útil.
Vamos dar um exemplo bem simples: todos nós temos a informação de que o tomate é um fruto, correto? No entanto, por que não colocamos o tomate na salada de frutas? Porque nós validamos a informação dando a ela sentido, analisamos seus aspectos e chegamos à conclusão de que o tomate não serve para ser usado em uma salada de frutas. Isto é conhecimento!
Mas existem dois tipos de conhecimento:
  • ·    Conhecimento tácito: aquele que nós adquirimos pela nossa experiência e vivência pessoal, pela nossa cultura, pela forma como assimilamos e processamos as informações;
  •        Conhecimento explícito: este é a tradução do conhecimento tácito de uma forma a que todos possam ter acesso, seja através de manuais, livros, revistas etc.

Voltando à nossa questão sobre estudar em grupo ou sozinho, percebemos que quando estudamos sozinhos estamos entrando em contato com o conhecimento explícito que alguém codificou para nós. No entanto, somente isso não é suficiente. A troca de experiências, de informações, o contato social que ocorre através dos estudos em grupo é o que nos propicia entrar em contato com o conhecimento tácito de outras pessoas. Nosso cérebro cruza as informações dos conhecimentos obtidos através dos livros com aqueles que provêm do contato social e tudo isso é “digerido”, analisado e resignificado em nossa mente.

Ler, assistir palestras, frequentar grupos de estudos, tudo isso é necessário para que nosso cérebro tenha informações suficientes para analisar e assimilar os conteúdos propostos.
Aquele que somente lê, restringe sua compreensão daquilo que leu ao seu conhecimento anterior, portanto se o assunto for relacionado a algo com o qual ele nunca teve contato, sua compreensão será dificultada, haja vista que ele tem um conteúdo mental prévio muito pobre para fazer as conexões necessárias para o entendimento.
Aquele que somente assiste palestras (presencial ou virtualmente), assimila unicamente as informações superficiais e, muitas vezes, baseadas em pontos de vistas pessoais, sem que ele tenha em seu arcabouço mental o conteúdo técnico necessário para confrontar as informações e fazer a devida análise daquilo que ouve.
Quanto ao que somente participa de grupos de estudos, mesmo tendo contato com a teoria escrita (conhecimento explícito) e com as análises dos colegas (conhecimento tácito), este permanece ainda na superfície do conhecimento por não se aprofundar posteriormente nas leituras do conteúdo estudado procurando mais material para reflexão e aprofundamento do assunto, fixando muito pouco do que foi visto.
Portanto, se você tem a intenção de ser um trabalhador espírita ou de simplesmente tornar-se um espírita consciente, não poderá furtar-se à necessidade de aliar os estudos particulares com o estudo em grupo. Somos indivíduos e, portanto, temos plena capacidade de procurar obter e produzir conhecimento por nós mesmos. Mas somos também seres sociais porque necessitamos aprender uns com os outros, como nos ensinam os espíritos em O Livro dos Espíritos (ver Lei de Sociedade).

Respondendo à questão levantada no título de nosso artigo, se você quer adquirir conhecimento na doutrina espírita, leia, participe de palestras, de grupos de estudos e, principalmente, trabalhe com afinco e amor, transformando todo o conhecimento obtido em ação em favor do próximo e de nós mesmos, fixando nos nossos hábitos as teorias que habitam em nossas mentes. Somente assim obteremos o conhecimento de que tanto necessitamos para sermos pessoas melhores e cumprir nossa missão evolutiva na Terra.

Um comentário:

  1. Boa reflexão sobre nossa relação com o conhecimento e vivência da Doutrina Espírita!

    ResponderExcluir