segunda-feira, 23 de julho de 2018

Sábado (21) foi um dia especial para os trabalhadores e frequentadores da Fraternidade Espírita Cristã Joseph Gleber (Fejog), pois o presidente da Casa, Sr. Geraldo Teixeira completou mais um ano de vida e foi agraciado com uma confraternização surpresa após os trabalhos do dia. Parabéns, Sr. Geraldo! Que Deus possa lhe conceder muitos anos de vida com muita saúde e trabalho no bem.











Participe da Campanha do Agasalho


segunda-feira, 9 de julho de 2018

Grupo de Música da CEC lança novo CD


O lançamento do novo CD do grupo de Música da CEC aconteceu no último sábado de junho (30), na sede da Casa Espírita Cristã e reuniu uma plateia animada e receptiva. O grupo musical formado por jovens da Casa apresentou um repertório recheado de músicas autorais.

Quem esteve presente pôde curtir a apresentação ao vivo e se deliciar com os quitutes carinhosamente preparados pela cantina da Casa.

O CD do Grupo de Música da CEC é produto do Projeto Matrizes, cujo trabalho vem sendo administrado pela Federação Espírita do Estado do Espírito Santo (FEEES) em um regime de parceria com empresas da área da produção sonora, de comunicação e de distribuição, como a Scalla Studio, a Soma Soluções em Marketing e R&B Arte e Cultura, respectivamente.

O grupo apresentou mais de 10 músicas, ora autorais ora covers de outras bandas já conhecidas no movimento espírita. Dentre as músicas apresentadas, destacou-se a canção cujo título “Que buscais?” deu origem ao nome do CD. A faixa, de autoria de Nicolle Carone e Raphael Yugo discorre sobre a busca da essência do ser, fazendo uma reflexão à trajetória do homem no mundo de provas e expiações. A canção, cuja letra equipara-se a uma prece, ressalta a importância do “Amor” como real essência para guiar os passos do ser humano.    

O evento contou ainda, com duas participações especiais, das cantoras Nicolle Carone e Joana Bentes. Joana está participando do concurso musical “Palco Livre” do XXV Festival International de Inverno de Domingos Martins e comentou sobre a atuação da música como instrumento de divulgação da Doutrina Espírita. “A música é uma forma de elevar a alma, não só divulga, mas acho que ela é um instrumento de transformação íntima, de amadurecimento do nosso espírito, de fortalecimento de ideias e convicções. É  uma forma de oração”.

A Equipe da Revista Joseph Gleber conversou com Marcela de Faro - uma das integrantes do Grupo de Música da CEC – para conhecer um pouco melhor o processo de construção do projeto. Confira a entrevista a seguir.

           
REJG: Quem são os colaboradores e/ou integrantes do Grupo de Música da CEC?
Marcela: Somos eu (Marcela de Faro), Brunella Caldeira, Thiago Valadares, Guilherme Vasconcelos, Raphael Yugo, Fernando Costa e Lorena Carone.

REJG: Qual o estilo de música que podemos encontrar no CD? Ele é destinado a uma faixa etária específica?
O CD não é destinado a uma faixa etária específica, na verdade, o público varia entre jovens e adultos, mas as crianças, muitas vezes, também gostam das músicas. Com relação ao estilo de música, a gente tem nesse CD músicas mais calmas e leves. O estilo dos arranjos, da música fica entre o pop, pop-rock e samba.

REJG: Vocês planejam uma apresentação externa à Casa espírita?
Marcela: O nosso grupo já não mais se apresenta externamente à Casa. Hoje, a nossa atividade se resume muito aqui (CEC) por causa de todas as demandas que vieram para as nossas vidas. A gente antes era um grupo chamado “Grupo Seareiros”. Era um grupo de artes e não ficava somente na música. Fazia apresentações de música, dança, teatro... envolvendo um pouco de tudo. Esse grupo se desfez e a gente manteve a parte da música, antendendo às demandas da Casa. Então, por isso a gente trocou o nome, porque foi uma equipe destinada às atividades da CEC. As pessoas sempre pediram para que essas músicas fossem gravadas. Então, a oportunidade do Projeto Matrizes foi excelente para a gente.  

REJG: Onde podemos adquirir o CD?
Marcela: O CD pode ser adquirido aqui na CEC, mas a gente pretende distribuir em outros lugares e vamos divulgar. Nas plataformas digitais de distribuição musical via streaming (Spotify, Deezer, iMusic, iTunes, etc.), o CD está disponível para baixar e ter acesso.

REJG: Todas as músicas são autorais?      
Marcela: Todas as músicas são.



(Por Juliana Santos)














          
           


quinta-feira, 28 de junho de 2018

Cantina da Fejog em ritmo de festa junina


A Cantina da Fejog, conhecida como Delícias da Fejog, a cada mês inova nos sabores e na decoração. Nesse mês de junho, o espaço está em clima de festa junina com bandeirinhas, toalhas floridas e fogueirinhas como centro de mesa. Fora as guloseimas que estão incrementadas além dos assados doces e salgados e biscoitos agora tem bolo, caldos, doce de leite e muito mais. Tudo isso graças aos trabalhadores e colaboradores que produzem essas delícias e recebem os pedidos.

Venha estudar conosco e conhecer as Delícias da Fejog que funciona no mesmo horário dos trabalhos e estudos da casa: segundas, terças, quartas e sextas das 19h às 21h30 e sábados das 18h às 21h30. Mas, só vale fazer pedidos antes ou depois dos trabalhos, afinal tudo é para contribuir com o trabalho no bem e na construção da nova sede.



















(Por Stephane Figueiredo / Fotos: Juliana Santos)




domingo, 24 de junho de 2018

Cec recebe Jane Maiolo para falar sobre suicídio e depressão


A Casa Espírita Cristã (CEC), que fica no Ibes, Vila Velha, recebeu sexta-feira (22), a psicopedagoga Jane Maiolo para falar sobre “Viver, a única opção. Uma reflexão sobre suicídio e depressão”.

Jane faz palestras sobre o tema por todo o Brasil e afirma que é preciso falar sobre o assunto, seguindo as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), sem destacar as qualidades das pessoas que se suicidam, pois o suicídio é uma questão de saúde pública. “Existe uma falsa ideia de que falar sobre o suicídio incentiva o ato. A OMS fez uma pesquisa e constatou que é preciso falar sobre o suicídio, pois é uma doença”, afirma Jane.



O Projeto de Lei do Senado n° 163, de 2017, Institui a Semana Nacional de Valorização da Vida que é realizada, anualmente, no período que compreende o dia 10 de setembro, Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. O PL visa estimular o trabalho integrado e multidisciplinar destinado ao combate e à redução do suicídio, que é a segunda maior causa de morte entre os jovens no mundo.
Além disso, existem grupos de voluntariados que trabalham em prol do combate ao suicídio como o Centro de Valorização da Vida (CVV) que realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar.


Nas casas espíritas também há um trabalho importante nesse sentido e uma intensificação no ‘Setembro Amarelo’, mas Jane reforça que é preciso informação e qualificação para realizar um atendimento fraterno nesses casos delicados. “As casas espíritas precisam ter acolhimento. Formar grupo de atendimento fraterno com formação específica, pois o suicídio está ligado à doença mental. O CVV é uma ótima opção para ter orientação e poder ajudar as pessoas. É importante falar sobre o suicídio que é um tema delicado, por isso é preciso se fortalecer. Como palestrante, o estudo também é necessário porque enquanto ele fala, a espiritualidade atua e quebra a ideia fixa”, disse Jane.

Segundo o relatório da OMS, a cada 40 segundos uma pessoa se suicida no mundo. Só em 2012, 804.000 pessoas se suicidaram.  A palestrante apresentou sintomas de depressão e suicídio como culpa, alterações no apetite, sono e libido, falta de ânimo entre outros que podem alertar pessoas mais próximas a alguém que esteja nessa situação ou até mesmo pessoas que se sentem assim para incentivar a procurar ajuda. “O suicida não quer morrer, ele quer acabar com o sofrimento. É preciso investigar, estar atento e procurar ajuda de médicos para o tratamento físico aliado ao tratamento terapêutico na casa espírita, no trabalho do bem constante e criar redes de proteção como os laços familiares e grupos de ajuda. Quando passamos a nos preocupar e ajudar o próximo, a nossa dor diminui e percebemos que a dor do outro é muito maior. Viver é a única opção”, finalizou Jane.



A equipe da revista Joseph Gleber entregou uma singela lembrança à Jane Maiolo e agradece a gentileza da Casa Espírita Cristã que nos recebeu com muito carinho, inclusive fez um tour com a equipe para conhecer a CEC. Parabenizamos pelo belo trabalho e pela sede que tem um espaço amplo e desenvolve estudos durante a semana. Gratidão.

(Por Stéphane Figueiredo )

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Participantes tiveram conhecimento prático no segundo Seminário da Fejog sobre Palestra Espírita


No primeiro domingo do mês de junho (03/06), aconteceu na Fraternidade Espírita Cristã Joseph Gleber (FEJOG), o segundo seminário do ano, com o tema “Palestra Espírita: Teoria e Prática”. 

De forma bastante descontraída, o palestrante André Luis Neves, pontuou algumas habilidades e atitudes inerentes aos palestrantes para garantir a qualidade da comunicação e explanação dos conteúdos. Nesse mesmo sentido, com o objetivo de preparar os futuros palestrantes à necessidade de adaptações metodológicas, em virtude de possíveis contratempos, abordou as principais dificuldades enfrentadas pelos profissionais no dia a dia. Quem nunca, por exemplo, passou por “apertos” com o computador ou o projetor multimídia durante uma apresentação?

Tendo em vista a importância do treinamento prático dos palestrantes, a segunda parte do seminário foi dedicada exclusivamente à realização de diversas dinâmicas instrutivas. Estas atividades não só contribuíram para espantar o acanhamento das pessoas presentes, como também, auxiliaram no desenvolvimento da comunicabilidade e sociabilidade das mesmas. Durante a palestra, André Luis enfatizou que o estudo da Doutrina Espírita aliado ao preparo prático são competências fundamentais para qualquer pessoa que deseja iniciar essa atividade.

“Acima de tudo é necessário boa vontade, naturalidade e humildade para desempenhar esta tarefa, sempre tendo em mente que somos eternos aprendizes na lide da vida. A fraternidade para com o próximo é ferramenta indispensável para o nosso aprimoramento espiritual, pois é certo que ninguém aprende sozinho, e certamente, o aprendizado é maior quando realizado em conjunto”, afirmou André.

(Por Juliana Santos)
















quarta-feira, 30 de maio de 2018

Palestra ‘Quem são meus irmãos’ marca a última sexta do mês de aniversário da Fejog


Nesta última sexta-feira (25) de maio, um momento especial comoveu o coração de muitos fejoguenses presentes à reunião pública, foi comemorado o aniversário de 11 anos da Fraternidade Espírita Cristã Joseph Gleber (21), com muito bolo e risadas! A Casa, que possui como lema “ninguém resiste ao amor de Jesus”, vem ao longo dos anos acolhendo e confortando diversos corações, pois realiza muitas atividades de aprendizado e serviços durante mais de uma década.



Para finalizar este mês comemorativo, o Palestrante Leonardo Pereira, sempre com muito bom humor, nos apresentou uma palestra sobre o tema: ‘Quem são meus irmãos?’. Durante a palestra nos convidou a fazer uma autoavaliação em relação ao que temos feito para a nossa evolução, bem como o que ainda precisamos aperfeiçoar para tal. De forma didática, abordou a diferença entre o parentesco corporal e o parentesco espiritual, explicando que é neste último, onde estão os verdadeiros laços, ou seja, os de simpatia e de comunhão que permanecem inalterados após o desencarne. Contudo, ressaltou também a importância da família consanguínea, e principalmente, dos membros familiares, esclarecendo que é neste meio onde estão localizados nossos principais problemas morais, cujos desafios, são indispensáveis para o processo de aprimoramento pessoal.

“[...] qualquer que fizer a vontade de Deus esse é meu irmão, e minha irmã, e minha mãe”. (Frase de Jesus narrada no evangelho de Marcos 3, 31-35).




(Por Juliana Santos)